...

05/05/2012

LIÇÃO 06 – TIATIRA, A IGREJA TOLERANTE




INTRODUÇÃO

Nesta lição, obteremos importantes informações a cerca de Tiatira - uma das sete cidades da Ásia Menor.
Veremos como o evangelho provavelmente chegou a esta próspera cidade; quais as virtudes que a igreja naquela localidade possuía, e que foram elencadas por Cristo em sua carta; por fim, destacaremos ainda que esta igreja foi severamente repreendida pelo Senhor por ter tolerado falsos ensinos, que conduziram alguns ao erro, os quais mesmo recebendo tempo para se arrependerem, não fizeram assim. No entanto aos fiéis que não haviam aderido à nova doutrina, Jesus lhes fez exortações e promessas consoladoras.

I – IMPORTANTES INFORMAÇÕES SOBRE A CIDADE

1.1 Nome. O nome Tiatira significa “sacrifício de trabalho”. Esta cidade foi fundada como guarnição por Seleuco I da Síria no século IV a.C., que posteriormente passou para o domínio romano em 133 a.C. Era um importante centro industrial e comercial da região de Lídia. Na época em que o livro do Apocalipse foi escrito, estava em grande desenvolvimento. Seu comércio consistia em indústrias de tintas, fabrico de roupas, cerâmica e objetos de bronze, embora, politicamente nunca tenha conseguido grande importância, sendo a menos importante das sete cidades da Ásia Menor.

1.2 Localização. Uma cidade da província romana da Ásia Menor, área agora ocupada pela parte ocidental da moderna Turquia, que está localizada a aproximadamente 60 km a nordeste de Pérgamo.

1.4 Religião. Assim como na maioria das cidades daquela região, nos tempos neotestamentários, Tiatira tinha muitos templos dedicados a vários deuses. Havia o templo de Apolo, o de Tirimanios, o de Sambate e o de Artemis, que como já vimos em uma lição anterior, tinha como foco de adoração a cidade de Éfeso (At 19.27,28).

II – COMO ERA A IGREJA DE TIATIRA

Podemos compreender que o evangelho de Cristo chegou a Tiatira por intermédio de uma discípula chamada
Lídia, a vendedora de púrpura, que foi a primeira convertida européia através do apóstolo Paulo, em sua segunda viagem missionária (At 16.14). Por isso a maioria dos estudiosos acredita que, a convertida Lídia e os seus parentes tenham sido os instrumentos que levaram a mensagem de Cristo para a cidade de Tiatira. Para esta igreja Jesus diz o seguinte:

2.1 O remetente identifica-se como o “Filho de Deus”. Cada evangelho nos mostra Jesus Cristo de uma forma: Mateus identifica-o como “Messias e Rei” (Mt 1.1; 2.2); Marcos como “O Servo” (Mc 1.1-11; 14.1); Lucas como o “Filho do Homem” (Lc 5.24; 12.8); todavia, João dá-nos uma visão dele como o “Filho de Deus”, tanto em seu evangelho (Jo 3.36;20.31), quanto em suas epístolas (I Jo 5.10,20), e, de igual modo no livro do Apocalipse (Ap 2.18; 12.5). A expressão Filho de Deus dada a Jesus indica que ele é Deus como o Pai (Fp 2.5), e que possui os atributos exclusivos da divindade, como: eternidade (Jo 1.1; 8.58); onipotência (Mt 28.18; Ap 1.8); onipresença (Mt 18.20; 28.20) e onisciência (Jo 1.47,48; Ap 2.23).

2.1.2 “Que tem olhos como chama de fogo”. Já vimos em outra lição que esta expressão significa dizer que Jesus têm a capacidade de sondar (examinar). Mas, outra coisa também deve ser destacada, é que assim como fogo tem a capacidade de provar a autenticidade do ouro, Cristo também testa a legitimidade das nossas obras e as intenções com as quais as fazemos (I Co 3.13,14); Assim Cristo estava confessando aos cristãos de Tiatira que eles estavam sob o seu olhar e sua análise.

2.1.3 “E os pés como latão reluzente”. Este termo aponta para a capacidade que Cristo tem de julgar, pois, o latão é uma liga formada por bronze e cobre. Ele representa o juízo ou julgamento contra o pecado. Por exemplo: os céus de Israel se tornariam de bronze se eles desobedecessem a Lei do Senhor (Lv 26.19; Dt 28.23). Portanto, o bronze é a justiça divina aplicada ao homem em juízo. Ele julgará e recompensará cada um segundo as suas obras (Ap 2.23; 22.12).

2.2 “Eu sei as tuas obras”. Nós, os cristãos, devemos estar cientes de que apesar da fé preceder as obras, isto não significa dizer que ela não seja importante. Pois, Jesus Cristo ensinou que a árvore é conhecida pelos seus frutos (Lc 8.44); que a nossa justiça não pode ser apenas aparente, como a dos escribas e fariseus, mas deve ser evidenciada pelas atitudes, senão, jamais entraremos no reino dos céus (Mt 5.20).

2.4 “E o teu amor”. Percebe-se claramente que contraste havia entre a igreja de Tiatira e a igreja de Éfeso. Enquanto Éfeso fora exortada a voltar ao primeiro amor, pois havia o abandonado (Ap 2.4), em Tiatira, Jesus destaca a presença do amor (Ap 2.19). Está em foco aqui o amor a Deus “ágape” como principal dos mandamentos (Mc 12.30), e, por conseguinte, o amor de Deus manifestado através de nós “phileo” para com os nossos semelhantes (Mc 12.31). Afinal de contas, o amor é a principal das três virtudes cristãs (I Co 13.13); é também a marca do verdadeiro discípulo do Nazareno (Jo 13.35) e ainda é o cumprimento da Lei e dos Profetas (Rm 13.10; Gl 5.14).

2.5 “E o teu serviço”. A expressão “serviço” no grego é “diakonia” que significa: atenção, assistência, ajuda. O termo foi usado por Paulo designando a obra social (Rm 15.31), ou seja, o ato de aliviar os necessitados com a distribuição de coletas aos pobres e as viúvas (At 6.1; 12.25; 2 Co 9.12). Isto significa dizer que a igreja em Tiatira se importava com os pobres e carentes ministrando-lhes o que necessitavam.

2.6 “E a tua fé”. A palavra Do grego “pistis” significa confiança. Uma das principais virtudes da teologia (I Co 13.13), sem a qual é impossível agradar a Deus (Hb 11.6). A fé é tão indispensável ao justo, que segundo as Escrituras, ele vive por ela (Hc 2.4). Esta igreja recebe de Cristo o reconhecimento de que possuía uma fé ativa, que opera pelo amor (Gl 5.6) e produz obras (Ap 2.19).

2.7 “E a tua paciência”. A palavra paciência, do grego hupomone, diz respeito à constância, resistência. Paulo nos ensina que a tribulação produz paciência (Rm 5.3); logo, fica implícito que esta igreja, ante as perseguições e sofrimentos advindos da sua fé na pessoa de Cristo, mostrava-se constante sem diminuir seu crescimento e seu progresso. É o que deduzimos da expressão “E que as tuas últimas obras são mais do que as primeiras” (Ap 2.19).

III – TIATIRA A IGREJA TOLERANTE

Como pudemos ver, Cristo elencou várias virtudes dos cristãos da igreja de Tiatira, mas aquele que tem “olhos como chama de fogo” não deixou passar despercebido uma gravíssima falha: a tolerância para com o pecado. O dicionário Aurélio define a expressão “tolerar” como consentir. Mas, o que esta igreja consentiu que Cristo reprovou?
Vejamos mais detalhadamente:

3.1 “Mas tenho contra ti que toleras Jezabel”. O nome “Jezabel” do hebraico “izebel” para alguns eruditos significa: “Montão de lixo”, mas, na opinião de outros: “casta”. Aparece pela primeira vez nas Escrituras como filha de Etbaal, reisacerdote de Tiro e Sidom (I Rs 16.31). No entanto, é evidente que essa pessoa a quem o Senhor chama de Jezabel aqui no NT, não é a mesma do AT. O fato de denominar como Jezabel a que estava perturbando a igreja em Tiatira com o mesmo nome da esposa de Acabe, indica que ambas tinham o mesmo caráter maligno. Perceba as similaridades que havia entre ambas: 1). Uma se dizia sacerdotisa (I Re 16.32), a outra se dizia profetisa (Ap 2.20-a); 2). Uma seduziu os profetas do Senhor a adorarem a Baal (I Rs 18.19), a outra enganava os servos do Senhor com um evangelho liberal (Ap 2.20-b); 3) por fim, uma procurava matar os servos do Senhor que se lhe opusessem (I Rs 18.4), a outra, com seus errôneos ensinamentos, conduziu muitos a morte espiritual, e, se não se arrependessem, seriam mortos fisicamente (Ap 2.23).

3.2 “...Ensine e engane os meus servos...”. Como podemos perceber do texto, o conteúdo das profecias desta
Jezabel, consistia em enganos, como o próprio Senhor Jesus afirma (Ap 2:20). Ela ensinava os servos do Senhor participarem de cultos pagãos, comendo das coisas sacrificadas aos ídolos (Ap 2.20). Prática esta não só proibida no Antigo Pacto (Êx 34.14,15) como também no Novo Pacto (At 15.29). É preciso entender que a profecia é um dom do Espírito (I Co 12.1), porém, na presente dispensação, o dom profético que têm como função exortar, consolar e edificar o povo de Deus jamais poderá modificar artigos de fé, alterar doutrinas ou trazer novas revelações (I Co 14.26-40; Ap 22.18,19). Portanto, as profecias têm de passar pelo crivo da Palavra de Deus para serem recebidas pela igreja (I Co 14.29).

3.3 A punição para Jezabel e seus seguidores. Diante do que foi exposto pelo Senhor Jesus àquela igreja, depois que lhes deu tempo para que se arrependessem, mas não se arrependeram (Ap 2.21). Tanto a Jezabel como os seus seguidores receberiam a punição, que provavelmente diz respeito a enfermidade ou a morte física (Ap 2.22,23). Esta correção tinha como propósito dar exemplo para os demais que não haviam abraçado este falso ensino (Ap 2.24), bem como a todas as outras igrejas (Ap 2.23).

IV – EXORTAÇÕES E PROMESSAS

Percebemos nos últimos versículos desta carta de conteúdo tão forte que apesar de alguns cristãos estarem se
afastando de Cristo e da sua doutrina, havia um remanescente fiel, que o Senhor exorta a reter o que tinha (obras, amor,serviço, fé e paciência) até que ele viesse (Ap 2.25). A expressão “reter” no grego “katechõ” significa: segurar firme. Os que assim procedessem seriam galardoados com a oportunidade de reinar com Cristo no Milênio, recebendo poder sobre as nações (Ap 2.26,27) e com a estrela da manhã: o próprio Senhor Jesus Cristo que havia de raiar sobre eles no arrebatamento da igreja (Nm 24.17; Ap 22.16).

CONCLUSÃO
Concluímos dizendo que apesar da igreja em Tiatira possuir pontos positivos, destacados por Cristo em sua carta, não fizeram com que estes superassem o ponto negativo da tolerância para com o pecado. Imitemos, pois os bons exemplos e rejeitemos os maus; e nos dediquemos em agradar a Deus com uma vida de santificação sem a qual ninguém verá o Senhor (Hb 12.14).

REFERÊNCIAS
• MACARTHUR, John. Bíblia de Estudo. SBB
• SILVA, Severino Pedro da. Apocalipse, versículo por versículo. CPAD.
• ANDRADE, Claudionor de. Dicionário Teológico. CPAD.
• ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger. Comentário Bíblico Pentecostal. CPAD.
• CHAMPLIN, R.N. O Novo Testamento Interpretado versículo por Versículo. HAGNOS.

Nenhum comentário: