...

28/08/2011

No que cremos


1) Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
2) Na inspiração verbal da Bílbia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida eo caráter cristão (2 Tm 3.14-17).
3) Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal dentre os mortos e sua ascensão vitoriosa aos céus (Is 7.14; Rm 8.34 e At 1.9).
4) Na pecaminosidade do homem que o destituiu da glória de Deus, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode restaurá-lo a Deus (Rm 3.23 e At 3.19).
5) Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus (Jo 3.3-8).
6) No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma, recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor (At 10.43; Rm 10.13; 3.24-26 e Hb 7.25; 5.9).
7) No batismo bíblico efetuado por imersão do corpo inteiro uma só vez em águas, em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo (Mt 28.19; Rm 6.1-6 e Cl 2.12).
8) Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus no Calvário, através do poder regenerador, inspirador e santificador do Espírito Santo, que nos capacita a viver como fiéis testemunhas do poder de Cristo (Hb 9.14 e 1Pd 1.15).
9) No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo, com a evidência inicial de falar em outras línguas, conforme a sua vontade (At 1.5; 2.4; 10.44-46; 19.1-7).
10) Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a Sua soberana vontade (1 Co 12.1-12).
11) Na Segunda Vinda pré-milenial de Cristo, em duas fases distintas. Primeira - invisível ao mundo, para arrebatar a Sua Igreja fiel da terra, antes da Grande Tribulação; segunda - visível e corporal, com Sua Igreja glorificada, para reinar sobre o mundo durante mil anos (1Ts 4.16. 17; 1Co 15.51-54; Ap 20.4; Zc 14.5 e Jd 14).
12) Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo, para receber recompensa dos seus feitos em favor da causa de Cristo na terra (2Co 5.10).
13) No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis (Ap 20.11-15).
14) E na vida eterna de gozo e felicidade para os fiéis, e de tristeza e tormento para os infiéis (Mt 25.46).

18/08/2011

PRAZER NA LEI DO SENHOR


Sl 1.2-Antes, tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite.

* PRAZER: SENTIMENTO PRIORITÁRIO

Dt6.5-Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder.

(tudo que fazemos sem que os nossos sentimentos estejam depositados inteiramente não alcança seus objetivos)

* LEI DO SENHOR: ALVO

* MEDITAR: AÇÃO

* DE DIA E DE NOITE: TEMPO DE DEDICAÇÃO INDETERMINADA

Lei, termo que possui uma série de significados, para designar toda norma ou regra a que devem submeter-se ou ajustar-se os fatos de que trata seu objeto. Em Direito, num sentido amplo, equivale à norma jurídica, derivada dos órgãos do Estado, do costume, ou de qualquer outra fonte à qual o ordenamento jurídico atribua poder de ditar ou criar normas. Em sentido restrito, só é Lei em sentido formal a norma jurídica escrita que emana do poder legislativo. Não pode contrariar o que diz a Constituição de um Estado, entendida esta como a Carta Magna.

Lei: A palavra hebraica torah, traduzida habitualmente por “lei”, significa antes “instrução” ou “ensinamento”. Essa “instrução”, que está contida, especialmente, nos primeiros cinco livros da Bíblia, não é concebida como um conjunto impessoal de mandamentos e preceitos, mas é palavra viva de Deus, que sai ao encontro das pessoas para manifestar-lhes a sua vontade e conduzi-las pelo caminho da vida e do bem.

Cf. Sl 19.7-. A lei do Senhor é perfeita e refrigera a alma; o testemunho do Senhor é fiel e dá sabedoria aos símplices.

8-Os preceitos do Senhor são retos e alegram o coração; o mandamento do Senhor é puro e alumia os olhos.

PRAZER:

2. Sensação ou sentimento agradável, harmonioso, que atende a uma inclinação vital; alegria, contentamento, satisfação, deleite:

3. Disposição cortês, afável; agrado; satisfação:

4. Distração, divertimento, diversão:

5. Gozo:

COMO COMEÇAMOS A TER PRAZER NA LEI DO SENHOR.

*Temos que experimentar, para não julgarmos errado.

NATANAEL

Jo1. 46-Disse-lhe Natanael: Pode vir alguma coisa boa de Nazaré? Disse-lhe Filipe: Vem e vê.

A MULHER SAMARITANA

Jo 4.9-Disse-lhe, pois, a mulher samaritana: Como, sendo tu judeu, me pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana? (porque os judeus não se comunicam com os samaritanos).

NICODEMOS COMEÇOU A TER PRAZER DA LEI DO SENHOR:

Jo 3.9,10-Nicodemos respondeu e disse-lhe: Como pode ser isso? Jesus respondeu e disse-lhe: Tu és mestre de Israel e não sabes isso?

NAÕ BASTA CONHECER A LEI:

Mt 22 34-E os fariseus, ouvindo que ele fizera emudecer os saduceus, reuniram-se no mesmo lugar.

35. E um deles, doutor da lei, interrogou-o para o experimentar, dizendo:

36. Mestre, qual é o grande mandamento da lei?

37. E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento.

38. Este é o primeiro e grande mandamento.

39. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.

40. Desses dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas.

Os fariseus tinham grande conhecimento sobre A LEI de Moisés, porem não tinham assim prazer nela para que usassem em suas vidas pelo contrario usavam para esconder as suas falhas e erros condenando os erros das outras pessoas.

A mulher adúltera

Jo 8.1-Porém Jesus foi para o monte das Oliveiras.

2-E, pela manhã cedo, voltou para o templo, e todo o povo vinha ter com ele, e, assentando-se, os ensinava.

3-E os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério.

4-E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando,

5-e, na lei, nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes?

6-Isso diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra.

7-E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se e disse-lhes: Aquele que dentre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela. (analisem vós mesmos).

8-E, tornando a inclinar-se, escrevia na terra.

9-Quando ouviram isso, saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficaram só Jesus e a mulher, que estava no meio.

10-E, endireitando-se Jesus e não vendo ninguém mais do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?

11-E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te e não peques mais.

Quem tem prazer na Lei do Senhor não tem tempo de ficar observando defeito das outras pessoas e deixando os defeitos de lado.

pois se nós observarmos a lei do Senhor encontraremos a seguinte expressão:

Mt 7.1-Não julgueis, para que não sejais julgados,

2-porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós.

3-E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão e não vês a trave que está no teu olho?

4-Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu?

5-Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho e, então, cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.

Exodo15. 25- E ele clamou ao Senhor, e o Senhor mostrou-lhe um lenho que lançou nas águas, e as águas se tornaram doces; ali lhes deu estatutos e uma ordenação e ali os provou.

Existem duas coisas que acompanham AS LEIS DO SENHOR.

Ø Tornaram doces – providencia divina

Ø Provou - Testou, Experimentou.

26-E disse: Se ouvires atento a voz do Senhor, teu Deus, e fizeres o que é reto diante de seus olhos, e inclinares os teus ouvidos aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma das enfermidades porei sobre ti, que pus sobre o Egito; porque eu sou o Senhor, que te sara.

OQUE ACONTECE QUANDO SE OBEDECE AS LEIS DO SENHOR:

O tema do Deus que sara aparece em numerosos textos (Dt 7.15; 32.39; Jr 17.14; 30.17; Sl 41.3-4) e se refere tanto à cura de enfermidades físicas como ao perdão dos pecados e à salvação no sentido pleno do termo. Cf. Tg 5.15.

Js 1.8-Não se aparte da tua boca o livro desta Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme tudo quanto nele está escrito; porque, então, farás prosperar o teu caminho e, então, prudentemente te conduzirás.

...o teu caminho-2Moisés, meu servo, é morto; levanta-te, pois, agora, passa este Jordão, tu e todo este povo, à terra que eu dou aos filhos de Israel. 3Todo lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado, como eu disse a Moisés. 4Desde o deserto e desde este Líbano até ao grande rio, o rio Eufrates, toda a terra dos heteus e até o grande mar para o poente do sol será o vosso termo. 5Ninguém se susterá diante de ti, todos os dias da tua vida; como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei nem te desampararei. 6Esforça-te e tem bom ânimo, porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria.

(PARA QUE A OBRA DE DEUS SE COCRETIZE EM NOSSA VIDA TEMOS QUE OBSERVAR A LEI DO SENHOR E CUMPRI-LA EM NOSSA VIDA)

A REENCARNAÇÃO SEGUNDO A BÍBLIA


2 Sm 12.23-“Porem, agora é morta, por que jejuaria eu agora? Poderei eu faze-la mais voltar? Eu irei a ela, porem ela não voltará para mim”.

Observação: A doutrina da reencarnação nega a Bíblia e menospreza a salvação em Cristo, a ressurreição dos mortos e julgamento final.

1 Tm 4.1-5 – Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios,

2-Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada (ex: Cicatriz de queimadura) a sua própria consciência,

3-proibindo o casamento e ordenando a abstinência dos manjares que Deus criou para os fiéis e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças,

4-Porque toda criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças,

5-Porque pela palavra de Deus e pela oração, é santificada.

A difusão moderna da reencarnação no Brasil deve-se principalmente, a propagação das obras de Hippolyte Leon Denizard Rivail, conhecido como Allan Kardec, pseudônimo adotado em 18 de abril de 1857.

Espiritismo, doutrina segundo a qual os mortos podem entrar em contato com os vivos, geralmente através de um clarividente ou médium.

Ainda que o espiritismo seja praticado, sob uma forma ou outra, desde tempos remotos, o espiritismo moderno é um conjunto de princípios e leis codificados por Allan Kardec, no século XIX, através dos livros O livro dos espíritos, O livro dos médiuns e O evangelho segundo o espiritismo, entre outros. O espiritismo acredita em Deus, considera Jesus Cristo um espírito perfeito e prega que a moral cristã, contida no evangelho, é um roteiro seguro para evolução espiritual de toda a humanidade.

A doutrina espírita ensina que a mediunidade é um dom de nascença, outorgado a algumas pessoas. Este dom pode, ou não, ser desenvolvido e, quando o é, auxilia o espírito do médium a se purificar. Uma sessão de espiritismo, na qual o médium tenta entrar em contato com os mortos, é precedida de hinos e orações. Falando com freqüência e, embora não seja imprescindível, em estado de transe, o médium transmite mensagens de consolo e saudação dos parentes e amigos mortos.

O espiritismo prega que os espíritos redimem seus erros de uma vida, reencarnando em outra. Para alcançar a purificação, precisam passar por várias encarnações que lhes vai eliminando os carmas, ou culpas, acumulados. No final de sucessivas encarnações, um espírito alcança a felicidade perfeita, não precisando mais habitar um corpo terreno.

Carma, na filosofia indiana, ações pessoais, boas ou más, que ficam ligadas à alma durante sua transmigração. Uma forma de carma (prarabdha) é determinada no nascimento e se resolve na vida presente; outra forma (sanchita) permanece latente durante esta vida; e uma terceira (sanchiyamana), elaborada nesta vida, amadurece em uma vida futura.(ex: Samsara, conceito fundamental da doutrina da reencarnação no hinduísmo e no budismo. Designa o ciclo de vidas, mortes e renascimentos que cada ser sensível experimenta como conseqüência de seu carma. Todas as almas viajam por essa roda indefinida. Tanto o hinduísmo como o budismo se esforçam para transcender este processo mediante a liberação definitiva que supõe o aceso ao nirvana.

A Segurança da Bíblia: Consideremos essas palavras de Allan Kardec: "No cristianismo encontram-se todas as verdades" (O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. VI, item 5). A Bíblia sempre foi a única base doutrinária e regra de fé e conduta dos verdadeiros cristãos. Em 2ª Timóteo 3.16 está escrito:

"Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça".

Jesus Cristo, tido pelo Kardecismo como a segunda revelação de Deus aos homens (Moisés seria a primeira), afirmou a solidez e a inspiração plenária da Bíblia. Em João 17.17, orando ao Pai, Ele diz: "A tua palavra é a verdade" (cf. Salmo 119.160). Quando tentado, sempre usando a expressão "está escrito", Ele respondeu citando o texto de Deuteronômio 8.3:

"Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus" (Mateus 4.4).

Em Mateus 24.35 diz:

"Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão".

Ele sempre usou a Bíblia para ensinar, redargüir, corrigir ou instruir em justiça.

Aos saduceus, que não criam na ressurreição, Jesus respondeu:

"Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus" (Mateus 22.29).

Jesus ainda nos manda examinar as Escrituras, pois são elas que testificam da Sua obra redentora: "Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim. Contudo, não quereis vir a mim para terdes vida" (João 5.39-40).

Na parábola do rico e de Lázaro (Lucas 16.19-31), Jesus mais uma vez demonstra a Sua convicção nas Escrituras ao narrar a resposta dada pelo patriarca Abraão ao rico, quando este, no Sheol-Hades (inferno), lhe pedira que enviasse Lázaro aos seus irmãos:

"Respondeu Abraão: Eles têm Moisés e os Profetas; ouçam-nos" (versículo 29).

Jesus reporta-se a Moisés e aos Profetas para nos informar que nenhuma outra forma de revelação poderia ser apresentada aos homens (inclusive a mediúnica), pois, por meio de ambos, foi-nos dada a verdadeira revelação – a Bíblia.

O Que a Bíblia diz Sobre Reencarnação?

O Minidicionário Aurélio conceitua o verbo Reencarnar da seguinte forma: "1. Reassumir (o espírito) a forma material. 2. Tornar a encarnar". Ao contrário da ressurreição, que é a volta do espírito ao mesmo corpo, a reencarnação significa o retorno do espírito a um novo corpo, sucessivamente, até alcançar a evolução.

Na verdade, a não ser por meio de uma exegese forçada, não há na Bíblia qualquer referência direta ou indireta à reencarnação. Ao contrário, as Escrituras ensinam que, da mesma maneira como Jesus veio ao mundo uma só vez, também ao homem está ordenado morrer uma única vez:

"E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo, assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação" (Hebreus 9.27).

O sacrifício único de Jesus, ao morrer na cruz, é mais que suficiente para nos libertar dos pecados e nos conduzir a Deus:

"Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus; morto, sim, na carne, mas vivificado no espírito" (1 Pedro 3.18).

Todo o ensinamento bíblico é no sentido de que só poderemos morrer uma única vez até o juízo final de Deus. Jesus não somente ressuscitou três dias após Sua morte, como também incluiu a ressurreição entre os Seus milagres (João 11.11-44). Diversas outras passagens da Bíblia demonstram a realidade da ressurreição (Daniel 12.2; Isaías 26.19; Oséias 6.2; 1 Coríntios 15.21-22; João 5.28-29; Atos 24.15; Apocalipse 20.6). Em todos esses textos, ressuscitar significa o retorno do espírito ao seu próprio corpo (ver também 1 Coríntios 15.12-22).

Então, se não Existe Reencarnação, o que Faço Para ser Salvo? A resposta está em Atos 16.31:

"...Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e tua casa".

Somente através da nossa fé, pura e incondicional, é que obteremos a salvação, mediante Jesus Cristo. Ele mesmo disse:

"Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá" (João 11.25).

Não há outro caminho e nenhuma outra verdade além desta (veja João 14.6). Não adianta esperar uma outra existência, pois esta é a única oportunidade. Jesus, somente Ele, é quem nos dá a vida eterna: "Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão" (João 10.28).

Então, busque hoje mesmo a Jesus Cristo, entregue-Lhe seu coração e Ele o ouvirá:

"Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo" (Romanos 10.13).

14/08/2011

QUEM É JESUS


A confissão de Pedro

(Mc 8.27-33; Lc 9.18-22; Jo 6.66-69)

Mt 16.13 - E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?

14-E eles disseram: Uns, João Batista; outros, Elias, e outros, Jeremias ou um dos profetas.

15-Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou?

16-E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.

ü Nós não devemos buscar apenas uma informação superficial sobre Jesus, pois calam nossas dúvidas de forma muito rápida.

ü Precisamos de formação. A informação nos satisfaz, mas a formação nas Escrituras Sagradas nos capacita.

Centenas de anos antes do nascimento de Jesus, foram registradas nas Escrituras as palavras dos profetas de Israel que anunciaram sua vinda. O Antigo Testamento, foi escrito por muitas pessoas durante um período de 1.500 anos, contendo mais de 300 profecias descrevendo a Sua chegada. Todos estes detalhes tornaram-se realidade, incluindo seu nascimento miraculoso, sua vida sem pecado, seus muitos milagres, sua morte e sua ressurreição.

A vida que Jesus viveu, os milagres que Ele fez, as palavras que Ele falou, Sua morte na cruz, Sua ressurreição e Sua ascensão aos céus - todos estes fatos demonstram que Ele não foi um simples homem, porém, mais do que homem. Ele mesmo afirmou: "Eu e o Pai somos Um" (João 10:30),"Quem me vê, vê ao Pai" (João 14:9), e "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim." (João 14:6)

ü É ...a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação"(Cl 1 .15).

ü Aquele que era "antes de todas as coisas" (Cl 1.17).

ü A vida estava nele e a vida era a luz dos homens" (Jo 1.4).

ü O que era antes de seus antecedentes carnais (Jo 8.58),

ü O Criador de todas as coisas com o Pai (Jo 1.3)

ü Possuidor de toda a "profundidade da riqueza, tanto da sabedoria, como do conhecimento de Deus" (Rm 11.33).

ü O Filho de Deus que tornou-se Cordeiro de Deus, em breve irá voltar. "Todo o olho o verá, até quantos o transpassaram" (Ap 1.7)

JESUS EM CADA LIVRO DA BÍBLIA

Em Génesis, Ele é o Descendente da Mulher
Em Êxodo, Ele é o nosso Cordeiro Pascal
Em Levítico, Ele é o nosso Sacrifício pelo Pecado
Em Números, Ele é o nosso Guia
Em Deuteronómio, Ele é o Grande Profeta
Em Josué, Ele é o Poderoso Conquistador
Em Juízes, Ele é Aquele que nos dá vitória
Em Rute,
Ele é nosso Parente mais chegado e o nosso Redentor
Em 1 Samuel, Ele é a Raiz de Jessé
Em 2 Samuel, Ele é o Filho de David
Em 1 e 2 Reis, Ele é o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores
Em 1 e 2 Crónicas,
Ele é o nosso Intercessor e Sumo-sacerdote
Em Esdras, Ele é o nosso Restaurador
Em Neemias,
Ele é nossa Muralha Forte, protegendo de inimigos
Em Ester, Ele é o nosso Advogado
Em Job, Ele é o Nosso Redentor que vive
Em Salmos,
Ele é a nossa Canção, Alegria e Socorro
Em Provérbios,
Ele é a nossa Sabedoria
Em Eclesiastes,
Ele é o nosso Propósito
Em Cantares de Salomão, Ele é o Amado da nossa alma
Em Isaías,
Ele é o Messias que há de vir
Em Jeremias,
Ele é o Bálsamo de Gileade para a alma enferma
Em Lamentações,
Ele é o Sempre Fiel - podemos confiar!
Em Ezequiel
, Ele é Aquele que dará vida aos ossos mortos
Em Daniel
, Ele é o Ancião de Dias, o Deus Eterno
Em Oséias,
Ele é o Fiel Amado, sempre convidando para voltar
Em Joel, Ele é o nosso Refúgio em tempos de aflição
Em Amós, Ele é o Divino Lavrador que cuida de nós
Em Obadias,
Ele é o Senhor do Reino
Em Jonas, Ele é a nossa Ressurreição e Vida
Em Miquéias
, Ele é o Juiz das Nações
Em Naum,
Ele é a Fortaleza no dia da angústia
Em Habacuque, Ele é o Deus da Nossa Salvação
Em Sofonias,
Ele é o Senhor Zeloso
Em Ageu, Ele é o Desejado de todas as nações
Em Zacarias, Ele é o Bom Pastor que foi vendido
Em Malaquias
, Ele é o Sol da Justiça
Em Mateus,
Ele é o Rei dos Judeus
Em Marcos,
Ele é o Servo Perfeito de Deus Pai
Em Lucas,
Ele é o Filho do Homem
Em João,
Ele é o Filho de Deus
Em Actos, Ele é o Salvador do mundo
Em Romanos, Ele é a Justiça de Deus
Em 1 Coríntios,
Ele é a Rocha que seguiu Israel
Em 2 Coríntios,
Ele é o Triunfador que nos conduz à vitória
Em Gálatas,
Ele é o Libertador do jugo da Lei
Em Efésios,
Ele é o Cabeça da Igreja
Em Filipenses
, Ele é a nossa Alegria
Em Colossenses,
Ele é a nossa Plenitude
Em 1 e 2 Tessalonicenses,
Ele é a nossa Esperança
Em 1 Timóteo, Ele é a nossa Fé
Em 2 Timóteo, Ele é a nossa Estabilidade
Em Tito, Ele é o nosso Modelo
Em Filémone
, Ele é o nosso Benfeitor
Em Hebreus,
Ele é o nosso Intercessor junto ao trono de Deus
Em Tiago,
Ele é o Poder que motiva a nossa fé
Em 1 Pedro, Ele é o nosso Exemplo
Em 2 Pedro, Ele é a nossa Pureza
Em 1 João, Ele é a nossa Vida
Em 2 João, Ele é o nosso Padrão de vivência
Em 3 João,
Ele é o nosso Caminho
Em Judas,
Ele é o Fundamento da nossa fé
Em Apocalipse, Ele é o nosso Rei que vai voltar

JESUS CRISTO,

Jesus Cristo é o Messias, Salvador e fundador da igreja cristã. Para os cristãos, Ele é o Senhor de suas vidas. Embora tenha vivido na terra somente 33 anos, tem exercido grande impacto nas pessoas – mesmo naqueles que não crêem que Ele é o Filho de Deus.

Jesus Cristo é descrito em detalhe na Bíblia – sua vida, obra e ensinamentos – nos Evangelhos, cada um focando diferentes ângulos. Mateus o apresenta como o esperado Rei do povo judeu. Marcos o mostra como servo de todos. Lucas tende a destacar seu caráter compassivo e bondoso para com os pobres. João descreve um relacionamento amoroso com Jesus. No entanto todos concordam que Jesus é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis.

A VIDA DE JESUS

A história contada nos Evangelhos abrange estágios que vão da encarnação de Cristo, ou sua entrada no mundo, até sua morte na cruz. A apresentação total da vida de Cristo está centrada na cruz e na sua ressurreição triunfal.

A PRÉ-EXISTÊNCIA DE JESUS

João começa o seu Evangelho com uma referência à Palavra (João 1:1), e com isso dá uma visão gloriosa de Jesus, que existia mesmo antes da criação do mundo (1:2). Jesus tomou parte no ato da criação (1:3). Entretanto, o nascimento de Jesus foi ao mesmo tempo um ato de humilhação e de iluminação. A luz brilhou, mas o mundo preferiu permanecer nas trevas (1:4-5, 10).

O NASCIMENTO VIRGINAL DE JESUS

Mateus e Lucas contam que Jesus Cristo foi concebido pelo Espírito Santo e nascido de Maria, que era virgem. Para ser Deus e homem, Jesus não poderia ter sido concebido naturalmente. Profetizado por Isaías e Acaz (Isaías 7:10-14), seu nascimento miraculoso não foi um fato sem importância – é o cerne da história de Jesus. O nascimento virginal é prova da Encarnação de Jesus e de que Cristo era realmente Deus.Jesus passou sua infância em Nazaré e aos 12 anos foi achado no templo conversando com os doutores da lei.

A PREGAÇÃO DE JOÃO BATISTA

João Batista andava pelo deserto conclamando o povo para o arrependimento e o batismo (Mateus 3:1-6). Falava da aproximação do reino (Mateus 3:2). Com esse mesmo tema Jesus iniciou seu ministério (4:17), o que mostra que a obra de João Batista integrava a preparação do ministério público de Jesus. O mesmo se pode dizer sobre o rito do batismo, embora João reconhecesse que Jesus batizaria com o Espírito Santo e com fogo (3:11). João foi protagonista do primeiro ato público de Jesus – seu desejo de ser batizado (3:13-15; Lucas 3:21).

O BATISMO DE JESUS

Jesus veio ao mundo com uma missão e embora não fosse pecador, decidiu se submeter ao batismo para mostrar que estava preparado para levar a carga de pecados da humanidade. O batismo é um símbolo da morte do homem, sepultamento de seus pecados e ressurreição de uma nova criatura em Cristo. É uma visão externa da mudança interna de uma pessoa. A parte mais importante do batismo de Jesus foi a voz que desceu do céu, declarando prazer no Filho amado (Mateus 3:17). Esse pronunciamento de Deus foi o verdadeiro início do ministério de Jesus; o Pai lhe dava total aprovação para sua obra. Outro fato importante foi a manifestação do Espírito Santo sob a forma simbólica de uma pomba (3:16).

A TENTAÇÃO DE JESUS

O batismo de Jesus mostrou a natureza de sua missão. A tentação mostrou a natureza do ambiente em que exerceria seu ministério (Mateus 4:1; Lucas 4:1-2). A confrontação com forças espirituais adversas ocorreram em várias situações e a todas Jesus rebateu com as Escrituras.

O MINISTÉRIO DE JESUS

Desenvolvido num período curto de 3 anos, o ministério de Jesus foi intenso, marcado por uma convivência rica com os discípulos que escolheu (Mateus 4:18-22; Marcos 1:16-20; Lucas 5:1-11) e que compartilharam de momentos muito especiais em que foram testemunhas de seus milagres (João 2:1-10), curas (Mateus 8:1-9:34), sermões (Mateus 5:1-7:29), encontros inusitados com pecadores (João 2:13-16; John 4:1-42; João 3) e líderes religiosos (Mateus 21:23-22:45), encontros e visitas a amigos (João 11; Mateus 26:6), de sua perseguição (Mateus 12:1-14; Lucas 13:10-17; João 5:9-18), sofrimento (Mateus 27: 27-44) e morte (Mateus 27: 45-50).

OS DIAS FINAIS EM JERUSALÉM

Incomodados com a crescente popularidade de Jesus, os líderes religiosos procuravam achá-lo em falta. Jesus começou a preparar seus discípulos, instruindo-os sobre eventos futuros, especialmente o fim do mundo. Reafirmou-lhes a certeza de sua volta e mencionou vários sinais que a precederiam (Mateus 24-25; Marcos 13; Lucas 21). Desafiou-os a estarem vigilantes (Mateus 25:13) e diligentes (25:14-30). Com isso preparava o caminho para os eventos da prisão, julgamento, sofrimento e crucificação que se seguiram.

Na noite anterior à sua prisão, porém, tomou com eles a Ceia do Senhor e lhes explicou o significado da sua morte (Mateus 26:26-30; Marcos 14:22-25; Lucas 22:19-20; 1 Coríntios 11:23-26). Através do pão e do vinho, que simbolizavam seu corpo partido e seu sangue derramado pelos pecadores, instituiu um memorial que selava uma nova aliança.

TRAIÇÃO E PRISÃO

Naquela mesa estava também o traidor, Judas, que o entregaria aos soldados e autoridades (Mateus 26:21-25; Marcos 14:18-21; Lucas 22:21-23; João 13:21-30).

Depois de cear, Jesus se retirou para o Jardim do Getsêmane (Mateus 26:36-46; Marcos 14:32-42; Lucas 22:40-46) onde orou intensamente e em agonia, mas ao mesmo tempo submetendo-se à vontade do Pai. Por isso, não ofereceu resistência quando o prenderam.

JULGAMENTO E CRUCIFICAÇÃO

Levado à presença das autoridades, Jesus foi interrogado (Mateus 27:1-2; Marcos 15:1; Lucas 23:1; João 18:28; Lucas 23:7-12) e julgado inocente por Pilatos. Mas seus inimigos escarneciam dele e incitavam a multidão pedindo sua morte. Pilatos entregou-o para ser crucificado. Foi pregado numa cruz, sofreu zombarias, açoites e humilhações, mas ainda assim expressou compaixão pelo criminoso arrependido crucificado ao seu lado (Lucas 23:39-43). Também comoveu-se por sua mãe (João 19:25-27), orou ao Pai pelo perdão daqueles que o crucificaram (Lucas 23:34) e com um grande grito, expirou (Marcos 15:37). Naquele momento houve escuridão e um terremoto, como se a natureza reconhecesse o significado daquele evento. O véu do templo de Jerusalém se partiu ao meio, não mais servindo como barreira ao lugar Santo dos Santos. A morte de Jesus abriu o caminho para todas pessoas chegarem livremente à presença de Deus e adorá-lo. Ele pagou por nossos pecados e nos trouxe de volta para o Pai.

SEPULTAMENTO, RESSURREIÇÃO E ASCENSÃO

O corpo de Jesus foi colocado numa tumba emprestada (Mateus 27:57-60; João 19:39) que, depois de 3 dias foi encontrada vazia (João 20:2-10). Cumprira-se a Escritura: Jesus ressuscitara. Seu aparecimento aos discípulos causou dúvida (João 20:24-29) e espanto.

Jesus ressuscitou glorificado em forma humana, porém não foi reconhecido de imediato. (João 20:15-16). Seus aparecimentos foram ocasiões de alegria e ensinamentos (Lucas 24:44 e Atos 1:3). A ressurreição transformou a tragédia em vitória. Sua ascensão aos céus aconteceu 40 dias depois da ressurreição. Jesus foi juntar-se ao Pai em glória (Lucas 24:51; João 20:17; Atos 1:9-11).