...

14/08/2011

QUEM É JESUS


A confissão de Pedro

(Mc 8.27-33; Lc 9.18-22; Jo 6.66-69)

Mt 16.13 - E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?

14-E eles disseram: Uns, João Batista; outros, Elias, e outros, Jeremias ou um dos profetas.

15-Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou?

16-E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.

ü Nós não devemos buscar apenas uma informação superficial sobre Jesus, pois calam nossas dúvidas de forma muito rápida.

ü Precisamos de formação. A informação nos satisfaz, mas a formação nas Escrituras Sagradas nos capacita.

Centenas de anos antes do nascimento de Jesus, foram registradas nas Escrituras as palavras dos profetas de Israel que anunciaram sua vinda. O Antigo Testamento, foi escrito por muitas pessoas durante um período de 1.500 anos, contendo mais de 300 profecias descrevendo a Sua chegada. Todos estes detalhes tornaram-se realidade, incluindo seu nascimento miraculoso, sua vida sem pecado, seus muitos milagres, sua morte e sua ressurreição.

A vida que Jesus viveu, os milagres que Ele fez, as palavras que Ele falou, Sua morte na cruz, Sua ressurreição e Sua ascensão aos céus - todos estes fatos demonstram que Ele não foi um simples homem, porém, mais do que homem. Ele mesmo afirmou: "Eu e o Pai somos Um" (João 10:30),"Quem me vê, vê ao Pai" (João 14:9), e "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim." (João 14:6)

ü É ...a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação"(Cl 1 .15).

ü Aquele que era "antes de todas as coisas" (Cl 1.17).

ü A vida estava nele e a vida era a luz dos homens" (Jo 1.4).

ü O que era antes de seus antecedentes carnais (Jo 8.58),

ü O Criador de todas as coisas com o Pai (Jo 1.3)

ü Possuidor de toda a "profundidade da riqueza, tanto da sabedoria, como do conhecimento de Deus" (Rm 11.33).

ü O Filho de Deus que tornou-se Cordeiro de Deus, em breve irá voltar. "Todo o olho o verá, até quantos o transpassaram" (Ap 1.7)

JESUS EM CADA LIVRO DA BÍBLIA

Em Génesis, Ele é o Descendente da Mulher
Em Êxodo, Ele é o nosso Cordeiro Pascal
Em Levítico, Ele é o nosso Sacrifício pelo Pecado
Em Números, Ele é o nosso Guia
Em Deuteronómio, Ele é o Grande Profeta
Em Josué, Ele é o Poderoso Conquistador
Em Juízes, Ele é Aquele que nos dá vitória
Em Rute,
Ele é nosso Parente mais chegado e o nosso Redentor
Em 1 Samuel, Ele é a Raiz de Jessé
Em 2 Samuel, Ele é o Filho de David
Em 1 e 2 Reis, Ele é o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores
Em 1 e 2 Crónicas,
Ele é o nosso Intercessor e Sumo-sacerdote
Em Esdras, Ele é o nosso Restaurador
Em Neemias,
Ele é nossa Muralha Forte, protegendo de inimigos
Em Ester, Ele é o nosso Advogado
Em Job, Ele é o Nosso Redentor que vive
Em Salmos,
Ele é a nossa Canção, Alegria e Socorro
Em Provérbios,
Ele é a nossa Sabedoria
Em Eclesiastes,
Ele é o nosso Propósito
Em Cantares de Salomão, Ele é o Amado da nossa alma
Em Isaías,
Ele é o Messias que há de vir
Em Jeremias,
Ele é o Bálsamo de Gileade para a alma enferma
Em Lamentações,
Ele é o Sempre Fiel - podemos confiar!
Em Ezequiel
, Ele é Aquele que dará vida aos ossos mortos
Em Daniel
, Ele é o Ancião de Dias, o Deus Eterno
Em Oséias,
Ele é o Fiel Amado, sempre convidando para voltar
Em Joel, Ele é o nosso Refúgio em tempos de aflição
Em Amós, Ele é o Divino Lavrador que cuida de nós
Em Obadias,
Ele é o Senhor do Reino
Em Jonas, Ele é a nossa Ressurreição e Vida
Em Miquéias
, Ele é o Juiz das Nações
Em Naum,
Ele é a Fortaleza no dia da angústia
Em Habacuque, Ele é o Deus da Nossa Salvação
Em Sofonias,
Ele é o Senhor Zeloso
Em Ageu, Ele é o Desejado de todas as nações
Em Zacarias, Ele é o Bom Pastor que foi vendido
Em Malaquias
, Ele é o Sol da Justiça
Em Mateus,
Ele é o Rei dos Judeus
Em Marcos,
Ele é o Servo Perfeito de Deus Pai
Em Lucas,
Ele é o Filho do Homem
Em João,
Ele é o Filho de Deus
Em Actos, Ele é o Salvador do mundo
Em Romanos, Ele é a Justiça de Deus
Em 1 Coríntios,
Ele é a Rocha que seguiu Israel
Em 2 Coríntios,
Ele é o Triunfador que nos conduz à vitória
Em Gálatas,
Ele é o Libertador do jugo da Lei
Em Efésios,
Ele é o Cabeça da Igreja
Em Filipenses
, Ele é a nossa Alegria
Em Colossenses,
Ele é a nossa Plenitude
Em 1 e 2 Tessalonicenses,
Ele é a nossa Esperança
Em 1 Timóteo, Ele é a nossa Fé
Em 2 Timóteo, Ele é a nossa Estabilidade
Em Tito, Ele é o nosso Modelo
Em Filémone
, Ele é o nosso Benfeitor
Em Hebreus,
Ele é o nosso Intercessor junto ao trono de Deus
Em Tiago,
Ele é o Poder que motiva a nossa fé
Em 1 Pedro, Ele é o nosso Exemplo
Em 2 Pedro, Ele é a nossa Pureza
Em 1 João, Ele é a nossa Vida
Em 2 João, Ele é o nosso Padrão de vivência
Em 3 João,
Ele é o nosso Caminho
Em Judas,
Ele é o Fundamento da nossa fé
Em Apocalipse, Ele é o nosso Rei que vai voltar

JESUS CRISTO,

Jesus Cristo é o Messias, Salvador e fundador da igreja cristã. Para os cristãos, Ele é o Senhor de suas vidas. Embora tenha vivido na terra somente 33 anos, tem exercido grande impacto nas pessoas – mesmo naqueles que não crêem que Ele é o Filho de Deus.

Jesus Cristo é descrito em detalhe na Bíblia – sua vida, obra e ensinamentos – nos Evangelhos, cada um focando diferentes ângulos. Mateus o apresenta como o esperado Rei do povo judeu. Marcos o mostra como servo de todos. Lucas tende a destacar seu caráter compassivo e bondoso para com os pobres. João descreve um relacionamento amoroso com Jesus. No entanto todos concordam que Jesus é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis.

A VIDA DE JESUS

A história contada nos Evangelhos abrange estágios que vão da encarnação de Cristo, ou sua entrada no mundo, até sua morte na cruz. A apresentação total da vida de Cristo está centrada na cruz e na sua ressurreição triunfal.

A PRÉ-EXISTÊNCIA DE JESUS

João começa o seu Evangelho com uma referência à Palavra (João 1:1), e com isso dá uma visão gloriosa de Jesus, que existia mesmo antes da criação do mundo (1:2). Jesus tomou parte no ato da criação (1:3). Entretanto, o nascimento de Jesus foi ao mesmo tempo um ato de humilhação e de iluminação. A luz brilhou, mas o mundo preferiu permanecer nas trevas (1:4-5, 10).

O NASCIMENTO VIRGINAL DE JESUS

Mateus e Lucas contam que Jesus Cristo foi concebido pelo Espírito Santo e nascido de Maria, que era virgem. Para ser Deus e homem, Jesus não poderia ter sido concebido naturalmente. Profetizado por Isaías e Acaz (Isaías 7:10-14), seu nascimento miraculoso não foi um fato sem importância – é o cerne da história de Jesus. O nascimento virginal é prova da Encarnação de Jesus e de que Cristo era realmente Deus.Jesus passou sua infância em Nazaré e aos 12 anos foi achado no templo conversando com os doutores da lei.

A PREGAÇÃO DE JOÃO BATISTA

João Batista andava pelo deserto conclamando o povo para o arrependimento e o batismo (Mateus 3:1-6). Falava da aproximação do reino (Mateus 3:2). Com esse mesmo tema Jesus iniciou seu ministério (4:17), o que mostra que a obra de João Batista integrava a preparação do ministério público de Jesus. O mesmo se pode dizer sobre o rito do batismo, embora João reconhecesse que Jesus batizaria com o Espírito Santo e com fogo (3:11). João foi protagonista do primeiro ato público de Jesus – seu desejo de ser batizado (3:13-15; Lucas 3:21).

O BATISMO DE JESUS

Jesus veio ao mundo com uma missão e embora não fosse pecador, decidiu se submeter ao batismo para mostrar que estava preparado para levar a carga de pecados da humanidade. O batismo é um símbolo da morte do homem, sepultamento de seus pecados e ressurreição de uma nova criatura em Cristo. É uma visão externa da mudança interna de uma pessoa. A parte mais importante do batismo de Jesus foi a voz que desceu do céu, declarando prazer no Filho amado (Mateus 3:17). Esse pronunciamento de Deus foi o verdadeiro início do ministério de Jesus; o Pai lhe dava total aprovação para sua obra. Outro fato importante foi a manifestação do Espírito Santo sob a forma simbólica de uma pomba (3:16).

A TENTAÇÃO DE JESUS

O batismo de Jesus mostrou a natureza de sua missão. A tentação mostrou a natureza do ambiente em que exerceria seu ministério (Mateus 4:1; Lucas 4:1-2). A confrontação com forças espirituais adversas ocorreram em várias situações e a todas Jesus rebateu com as Escrituras.

O MINISTÉRIO DE JESUS

Desenvolvido num período curto de 3 anos, o ministério de Jesus foi intenso, marcado por uma convivência rica com os discípulos que escolheu (Mateus 4:18-22; Marcos 1:16-20; Lucas 5:1-11) e que compartilharam de momentos muito especiais em que foram testemunhas de seus milagres (João 2:1-10), curas (Mateus 8:1-9:34), sermões (Mateus 5:1-7:29), encontros inusitados com pecadores (João 2:13-16; John 4:1-42; João 3) e líderes religiosos (Mateus 21:23-22:45), encontros e visitas a amigos (João 11; Mateus 26:6), de sua perseguição (Mateus 12:1-14; Lucas 13:10-17; João 5:9-18), sofrimento (Mateus 27: 27-44) e morte (Mateus 27: 45-50).

OS DIAS FINAIS EM JERUSALÉM

Incomodados com a crescente popularidade de Jesus, os líderes religiosos procuravam achá-lo em falta. Jesus começou a preparar seus discípulos, instruindo-os sobre eventos futuros, especialmente o fim do mundo. Reafirmou-lhes a certeza de sua volta e mencionou vários sinais que a precederiam (Mateus 24-25; Marcos 13; Lucas 21). Desafiou-os a estarem vigilantes (Mateus 25:13) e diligentes (25:14-30). Com isso preparava o caminho para os eventos da prisão, julgamento, sofrimento e crucificação que se seguiram.

Na noite anterior à sua prisão, porém, tomou com eles a Ceia do Senhor e lhes explicou o significado da sua morte (Mateus 26:26-30; Marcos 14:22-25; Lucas 22:19-20; 1 Coríntios 11:23-26). Através do pão e do vinho, que simbolizavam seu corpo partido e seu sangue derramado pelos pecadores, instituiu um memorial que selava uma nova aliança.

TRAIÇÃO E PRISÃO

Naquela mesa estava também o traidor, Judas, que o entregaria aos soldados e autoridades (Mateus 26:21-25; Marcos 14:18-21; Lucas 22:21-23; João 13:21-30).

Depois de cear, Jesus se retirou para o Jardim do Getsêmane (Mateus 26:36-46; Marcos 14:32-42; Lucas 22:40-46) onde orou intensamente e em agonia, mas ao mesmo tempo submetendo-se à vontade do Pai. Por isso, não ofereceu resistência quando o prenderam.

JULGAMENTO E CRUCIFICAÇÃO

Levado à presença das autoridades, Jesus foi interrogado (Mateus 27:1-2; Marcos 15:1; Lucas 23:1; João 18:28; Lucas 23:7-12) e julgado inocente por Pilatos. Mas seus inimigos escarneciam dele e incitavam a multidão pedindo sua morte. Pilatos entregou-o para ser crucificado. Foi pregado numa cruz, sofreu zombarias, açoites e humilhações, mas ainda assim expressou compaixão pelo criminoso arrependido crucificado ao seu lado (Lucas 23:39-43). Também comoveu-se por sua mãe (João 19:25-27), orou ao Pai pelo perdão daqueles que o crucificaram (Lucas 23:34) e com um grande grito, expirou (Marcos 15:37). Naquele momento houve escuridão e um terremoto, como se a natureza reconhecesse o significado daquele evento. O véu do templo de Jerusalém se partiu ao meio, não mais servindo como barreira ao lugar Santo dos Santos. A morte de Jesus abriu o caminho para todas pessoas chegarem livremente à presença de Deus e adorá-lo. Ele pagou por nossos pecados e nos trouxe de volta para o Pai.

SEPULTAMENTO, RESSURREIÇÃO E ASCENSÃO

O corpo de Jesus foi colocado numa tumba emprestada (Mateus 27:57-60; João 19:39) que, depois de 3 dias foi encontrada vazia (João 20:2-10). Cumprira-se a Escritura: Jesus ressuscitara. Seu aparecimento aos discípulos causou dúvida (João 20:24-29) e espanto.

Jesus ressuscitou glorificado em forma humana, porém não foi reconhecido de imediato. (João 20:15-16). Seus aparecimentos foram ocasiões de alegria e ensinamentos (Lucas 24:44 e Atos 1:3). A ressurreição transformou a tragédia em vitória. Sua ascensão aos céus aconteceu 40 dias depois da ressurreição. Jesus foi juntar-se ao Pai em glória (Lucas 24:51; João 20:17; Atos 1:9-11).

Nenhum comentário: