...

20/08/2010

O QUE É PROSTITUIÇÃO

Gl 5.19-Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição...

Dt 23.17-Não haverá rameira(meretriz, prostituta) dentre as filhas de Israel; nem haverá sodomita dentre os filhos de Israel.

Dt 23.18-Não trarás salário de rameira nem preço de cão à casa do Senhor, teu Deus, por qualquer voto; porque ambos estes são igualmente abominação ao Senhor, teu Deus.


INTRODUÇÃO

Prostituição, venda de serviços sexuais específicos, por um preço pré-combinado. A prostituição pode ser feminina ou masculina e os clientes, homens ou mulheres. O padrão mais comum é de prostitutas com freguesia masculina. Muitas vezes, chamada de “profissão mais antiga do mundo”, a prostituição tem dimensões religiosas, econômicas e sociais.

2. A PROSTITUIÇÃO NA MESOPOTÂMIA
A prostituição sagrada — comum nas civilizações da Antigüidade como as do Egito, Babilônia, Assíria e Índia — provavelmente surgiu da adoração da grande deusa pré-histórica da fertilidade e da maternidade. Essa deusa era adorada em ritos de expressão sexual. Sua religião existiu por tempo suficiente para que fosse preservada no poema épico Gilgamesh, escrito em aproximadamente 2000 a.C., onde uma personagem prostituta cuida da grande deusa. Um dos nomes antigos da deusa era Inana, que mais tarde tornou-se identificada com a Ishtar mesopotâmica, protetora das prostitutas, e suas formas posteriores: Astarte, Afrodite e Diana.
O historiador grego Heródoto relatou que, na antiga Babilônia, toda mulher tinha a obrigação de ir ao templo de Ishtar ao menos uma vez na vida e manter relações sexuais com um estranho. Os historiadores modernos discordam sobre a extensão desta obrigatoriedade. Entretanto, reconhecem que a prostituição nos templos existia na Fenícia, Síria, Lídia, Chipre e Egito, assim como na Babilônia. Os primeiros hebreus condenavam a prostituição nos templos e tentaram erradicá-la. Ainda assim, a Bíblia nos conta que os filhos de Eli empregaram seus ofícios sacerdotais nos ritos de prostituição sagrada, deitando-se com “mulheres que prestavam o serviço divino à porta” do tabernáculo (Samuel; 1, 2:22). Roboão, filho de Salomão, introduziu a prática da prostituição no templo de Jerusalém sob a influência de sua mãe amonita (Livro dos Reis; 1, 14:24). A prostituição continuou existindo até o reinado do rei Josias (Livro dos Reis; 1, 23:7). O termo hebraico (ver Língua hebraica) para designar os profissionais da prostituição sagrada era kedeshah (para a mulher) e kadesh (para o homem). Mesmo após a prostituição sagrada ser abolida, as mulheres continuaram a doar aos templos fundos obtidos com a prostituição.

3. GRÉCIA ANTIGA
Sólon, o legislador de Atenas, enchia os prostíbulos de escravas, taxava os lucros e, com parte eles, construiu um oratório para Afrodite, a deusa do amor. Acima das prostitutas dos bordéis, estavam as meretrizes das ruas, as músicas e dançarinas (aulétrides) e as tocadoras de flauta. As que tinham mais status eram as heteras ou hetairas. Diferindo das prostitutas comuns e das donas de casa — as mulheres casadas na Grécia antiga estavam destinadas aos trabalhos de casa e não participavam da vida pública — as heteras eram educadas, treinadas em escolas administradas por outras heteras e, em muitos casos, alcançavam grande destaque e influência. Os gregos tinham tanto interesse na prostituição que desenvolveram um tipo especial de literatura: a pornografia, obras sobre prostitutas. Sabemos mais sobre as meretrizes gregas do que qualquer outra classe de mulheres. Além disto, o homossexualismo era aceito na cultura grega, existindo, portanto, prostitutos com freguesia masculina.

4. PROSTITUIÇÃO NA ROMA IMPERIAL
A prostituição no Império de Roma caracterizou-se por uma legislação férrea. Apesar de a atividade ser legal, era preciso que as prostitutas registrassem seu comércio, vestissem determinadas roupas, usassem somente certos tipos de transporte, além de outras obrigações. Muitas vezes, os escravos eram forçados a se prostituir (ver Escravidão). Afrodite mudou seu nome e transformou-se em Vênus, dando origem, pelo menos sob o ponto de vista etimológico, às chamadas doenças venéreas, ou seja, doenças sexualmente transmissíveis.

5. A PROSTITUIÇÃO E O CRISTIANISMO
Os filósofos ascéticos do início do cristianismo — em particular São Paulo e Santo Agostinho — condenavam a sexualidade e identificavam as mulheres com a tentação. Entretanto, Agostinho descreveu a prostituição como um mal necessário, da mesma forma que os esgotos eram necessários para levar embora excrementos e líquidos. A atitude cristã diante das prostitutas era simbolizada por Maria Madalena, apresentada — embora não haja registros nas Escrituras — como uma prostituta salva pelo exemplo de Cristo. Portanto, a igreja cristã encarou a prostituição como pecado, mas também frisou a possibilidade de redenção das prostitutas. Como os romanos, os governantes medievais (ver Idade Média) freqüentemente taxavam as meretrizes e vários prostíbulos da Roma medieval contribuíram para os cofres papais.

6. RENASCIMENTO E REFORMA
Durante o Renascimento e a Reforma, apesar de bem estabelecida, a prostituição tornou-se marginalizada. A Reforma protestante (ver Protestantismo) exaltou a dedicação à pureza moral, enfatizou o casamento para a procriação e reforçou a importância do celibato. Os bordéis foram fechados e as mulheres que dependiam da prostituição tornaram-se mais pobres. Entretanto, algumas cortesãs das classes mais abastadas continuaram a viver bem e a gozar de prestígio social.
Na tradição ocidental, por mais que as prostitutas bem sucedidas lucrassem com seu trabalho, as que serviam aos níveis mais baixos da escala social, esbarraram, muitas vezes, em condições desesperadas de sobrevivência. Durante o século XV, na Inglaterra, foram criados os bordéis infantis, locais onde os parentes pobres enviavam suas filhas com idades entre 7 a 14 anos. O número de mulheres que recorreram à prostituição como um meio de sobrevivência aumentou depois da revolução urbana e industrial dos séculos XVIII e século XX.

7. ESFORÇOS SOCIAIS
8. Os esforços para controlar a prostituição tenderam a se concentrar em torno de dois objetivos contraditórios: a tentativa de confinar a prostituta em uma atividade legal mas socialmente condenada, e o esforço de eliminar a prostituição totalmente, baseada na moral ou na saúde. No final do século XVII, a Sociedade para a Reforma dos Costumes tentou reprimir a prostituição na Inglaterra. No código napoleônico posterior à Revolução Francesa, as prostitutas só podiam trabalhar em bordéis licenciados.
As tentativas de regular e taxar a prostituição ligam-se, muitas vezes, às preocupações com a saúde pública. No século XIX, o esforço de controlar a prostituição através de regras governamentais e de inspeções médicas uniu-se às tentativas de controlar a sífilis. O empenho para regular a prostituição em centros navais da Inglaterra levou a reformadora Josephine Butler (1828-1906) a iniciar um movimento que execrava a prostituição tolerada e legalmente inspecionada. Butler liderou a campanha de sua abolição no âmbito da política internacional, identificando movimentos ilícitos que levavam mulheres e meninas à prostituição indesejada e clamando pela eliminação destas práticas. Até a Liga das Nações e a Organização das Nações Unidas (ONU) envolveram-se nestes esforços.

8. ESTADOS UNIDOS
Nos Estados Unidos, foi também intensa a campanha pela erradicação da prostituição que, durante a última parte do século XIX, havia tornado-se uma grande indústria, tanto nas cidades fronteiriças como nas em desenvolvimento. A virada do século foi a era do bordel, quando foram famosas cafetinas como as irmãs Everleigh, de Chicago, e mais tarde Polly Adler, em Nova York. O movimento feminista emergente nos Estados Unidos apoiou sua abolição. Em 1910, o Governo Federal criou a Lei Mann que proíbe o transporte de mulheres para fins de prostituição através das fronteiras dos estados.

9. A PROSTITUIÇÃO EM CULTURAS NÃO OCIDENTAIS
Na cultura hindu, especialmente na Índia do norte, uma forma de prostituição sagrada existia até recentemente. Uma casta conhecida como devadasi ("as criadas do deus") surgiu nos séculos IX e X. Estas mulheres praticavam a prostituição nos templos de uma forma similar às da antiga Mesopotâmia.
1. Mundo islâmico As prostitutas muçulmanas (ver Islã) são vistas como portadoras de desgraças para suas famílias. Por isso, muitas prostitutas são órfãs, filhas de prostitutas ou mulheres e meninas que foram deserdadas ou fugiram de suas famílias.
2. Japão O Japão desenvolveu a instituição da gueixa, uma garota de programas treinada de maneira semelhante à hetaira grega, incluindo às vezes serviços sexuais entre suas habilidades. As gueixas ingressam em sua profissão ainda crianças e são educadas nas artes de agradar os homens.
3. China e o sudoeste da Ásia Na China e no sudoeste asiático a situação está ligada à pobreza entre os camponeses. Isto levou à aceitação tanto da venda de uma filha para a prostituição para sustentar a família, como o costume de jovens engajarem-se na profissão para acumular um dote. Estas normas sociais, combinadas com uma cultura que é menos puritana que a ocidental, aumentaram o ramo da sexualidade comercial. Durante as guerras da Coréia e do Vietnã, a prostituição ao redor das bases militares norte-americanas da Tailândia e das Filipinas cresceu tanto que, hoje, Bangkok e Manila são consideradas a capital da indústria do turismo sexual. Na era da Aids existe um enorme perigo para mulheres e homens que se dedicam à prostituição. Outro aspecto do problema é o número crescente de meninas entre 8 e 13 anos que trabalham como prostitutas em países do terceiro mundo. A virgindade, que as faz teoricamente livres da Aids, atraem clientes que pagam fortunas. Este fenômeno acontece hoje na Ásia, no Oriente Médio, na África e na América Latina.

10. MOVIMENTO PELOS DIREITOS DAS PROSTITUTAS
Em meados do século XX, as atitudes das mulheres e da sociedade em relação às prostitutas começaram a mudar. A disponibilidade crescente de preservativos, o aumento e diversificação das opções de emprego femininos e a revolução sexual dos anos 1960 tiveram um grande impacto na indústria do sexo. Nos países desenvolvidos, um número proporcionalmente menor de homens usava os serviços de prostitutas, em comparação com as eras anteriores, e aqueles que o faziam tinham um menor número de contatos. As tentativas de policiar a prostituição e reforçar os regulamentos tornaram-se esporádicas, criminalizando somente as mulheres e não os seus clientes.
Nos anos 1970, foi iniciado um movimento pelos direitos das prostitutas. Paralelo a este desenvolvimento, houve da parte das prostitutas um reconhecimento da importância social de sua ocupação e da responsabilidade das mesmas em relação à propagação de doenças. Os grupos de prostitutas da França e da Inglaterra e o Coyote (da frase "Call Off Your Old, Tired Ethics", ou seja, “Acabe com sua ética velha e cansada”) nos Estados Unidos, fundado por Margo St. James e pela advogada Florynce Kennedy em 1972, são uniões que buscam assegurar a proteção legal de trabalhadores do sexo. Outro objetivo é inverter a imagem das prostitutas como autodestrutivas, viciadas e moralmente corruptas. Embora a possibilidade de abusos sexuais na família figure entre os fatores de peso na avaliação de muitos psicólogos (ver Psicologia) como um dos importantes motivos da prostituição, os movimentos modernos estão conseguindo reverter esta imagem e enfatizando que a prostituição é, em muitos casos, uma opção consciente.
[1]

[1]"Prostituição," Enciclopédia® Microsoft® Encarta. © 1993-1999 Microsoft Corporation. Todos os direitos reservados.

2 comentários:

sant´s disse...

O que é a prostituição?
Boa pergunta...
Hoje em dia a prostituição é quando mulher ou homem vende o seu corpo para satisfazer a apetite sexual de outra pessoa em troca de uma certa quantidade de dinheiro, ou por uma imformação,ou para subir no trabalho.
By:sant´s

sant´s disse...

I´m girl. I´m not a boi.o
By: Sant´s